13 jul 2018

Como o WhatsApp vem tentando driblar as fake news

Dimítria Coutinho

por Dimítria Coutinho

3 min. de leitura
Como o WhatsApp vem tentando driblar as fake news

O WhatsApp anunciou recentemente um novo recurso que permite que os usuários vejam quando uma mensagem foi encaminhada. A ideia é que as pessoas saibam se aquela mensagem foi escrita por seu remetente, ou se ele simplesmente a encaminhou de outra conversa ou grupo.

Agora, o WhatsApp vai indicar quando uma mensagem foi encaminhada. Imagem: Divulgação/WhatsApp.

O novo recurso faz parte de uma série de medidas que a empresa vem tomando para tentar combater as fake news na plataforma. No post do blog que anuncia a novidade, o WhatsApp disse encorajar os usuários a “pensar com cuidado antes de compartilhar mensagens encaminhadas”.

Leia também: O que são fake news e como se proteger delas

O encaminhamento de mensagens é uma das maneiras mais comuns de se espalhar notícias falsas pelo aplicativo de mensagens. Por isso, saber que uma mensagem foi encaminhada é um primeiro passo para estar mais atento ao seu conteúdo.

Leia também: Crimes digitais: como funcionam os golpes no WhatsApp?

WhatsApp e o caso indiano

A medida tomada pelo WhatsApp veio depois de o governo indiano emitir uma carta de alerta para a empresa. Recentemente, a Índia passou por uma onda de linchamentos causada, sobretudo, por notícias falsas compartilhadas através do aplicativo de mensagens.  

Os boatos que circularam pelo WhatsApp falavam que 300 traficantes estariam sequestrando crianças e as vendendo. Com o compartilhamento das mensagens falsas, muitos inocentes foram linchados, causando inclusive algumas mortes.

Dentre os assassinados, estava a moradora de rua Shantadevi Nath, de 45 anos. Ela foi recebida com chutes e socos por um grupos de 100 pessoas. Inocente, a mulher não resistiu aos ferimentos após chegar ao hospital.

Essa não foi a primeira vez que esse tipo linchamento aconteceu e, diante da situação, o governo indiano alertou as pessoas para não acreditarem em tudo o que leem online e, além disso, cobrou o WhatsApp para que alguma medida fosse tomada. Além do novo recurso que permite ver se uma mensagem foi encaminhada, a empresa iniciou uma campanha em diversos jornais da Índia.

Os anúncios ocupam páginas inteiras dos jornais do país e circulam em inglês, hindu e outras línguass. Sob o título de “Juntos podemos lutar contra informações falsas”, o texto presente nos jornais instrui as pessoas a checarem as informações que recebem.

“Não preste atenção ao número de vezes que você recebeu a mensagem. O fato de uma mensagem ter sido compartilhada várias vezes não a torna verdadeira”, diz um trecho do texto. O WhatsApp anunciou, ainda, que os anúncios são apenas um primeiro passo em uma lista de medidas que devem ser tomadas no território indiano.

O que essa história indiana tem de similar com o cenário brasileiro?

A Índia é o maior mercado para o WhatsApp, com 200 milhões de usuários – o mesmo número de pessoas que vivem no Brasil. Por aqui, não estamos muito longes dos indianos: 120 milhões de brasileiros utilizam o WhatsApp. Esse número representa 10% de todas as pessoas que usam o aplicativo no mundo todo.

No Brasil, o caso entre fake news e WhatsApp não é tão grave quanto na Índia, mas o cenário ainda é bastante preocupante. Uma pesquisa revelou que os grupos de família são o principal vetor de distribuição de fake news na plataforma.

Leia também: Fake news: está na hora de falar sobre elas no grupo da família no WhatsApp

E essa preocupação a respeito de notícias falsas aqui no Brasil vem tomando bastante espaço nas discussões, sobretudo por parte da mídia. Um exemplo disso é o projeto Comprova, que reúne jornalistas de 24 veículos para checar notícias durante o período eleitoral. Com início em Agosto, o Comprova irá disponibilizar relatos diários que ajudarão o público a entender o que é verdade e o que não é.

Já do lado da tecnologia, o novo recurso do WhatsApp de marcar mensagens encaminhados pode ser bastante importante na hora de identificar possíveis notícias falsas, mas é necessário que a empresa vá mais longe. E parece que ela está interessada nisso, sobretudo pedindo ajuda para descobrir como combater fake news.

O WhatsApp lançou um edital para apoiar financeiramente pesquisadores que se interessem por estudar os temas propostos pela plataforma. Todos os campos de pesquisa estão relacionados à desinformação na plataforma, assunto que a empresa está disposta a investir.

Uma publicação compartilhada por Ada (@ada.vc) em