Respire fundo: 6 aplicativos de meditação

* Por Cora Poumayrac Nieto e Diana Assennato

 

headspace

 

Ok, a gente sabe: a resolução campeã de começo de ano é o combo entrar na academia, fazer dieta, perder uns quilos.

Mas você já ouviu a expressão em latim mens sana in corpore sano (uma mente sã em um corpo são)? Pois é. Para abrir 2015, a gente vai te ajudar a ganhar mais paz de espírito e clareza de mente, com nossa lista de aplicativos que ensinam a meditar. Escolha o seu, respire fundo e comece seu ano com mais leveza.

 

1) 5 minutos – Eu medito 

5 minutos 2  5 minutos 3   5 minutos 4

A campanha “5′ Minutos, Eu Medito” é desenvolvida pela ONG Mãos Sem Fronteiras em mais de 35 países com o objetivo de desmistificar e difundir a prática da meditação. É bem simples de usar e está disponível em várias línguas, inclusive em português. As funções são básicas: medidor de tempo meditado e lembretes para as próximas pausas. Os gráficos são fofos e te ajudam a entrar no mood da meditação com mini-aulas de preparação.

(para iPhone e Android, gratuito)

 

2) Buddhify²

buddhify 1   buddhify 2   buddhify 3

Perfeito para quem não sabe por onde começar. O app tem design colorido e muitas escolhas de programas, focados em diferentes situações e estados de espírito. Uma roda de arco-íris pergunta o que você está fazendo, e te oferece algumas opções de relaxamento para aquela situação específica. São mais de 11 horas gravadas e você consegue acompanhar suas estatísticas de performance.

(para iPhone e Android, US$2.99)

 

3) Headspace

IMG_0010   IMG_0009   IMG_0008

Esta é uma excelente escolha para quem procura meditação guiada (apenas em inglês) para começar sem dor. Antes de iniciar qualquer atividade, o app te convida a assistir três vídeos que resumem de forma muito prática os princípios básicos da meditação e como ela atua na mente. É bem focado no dia-a-dia de quem está começando. O criador do app, Andy Puddicombe era monge budista e se tornou empreendedor milionário e palestrante do TED graças à usabilidade impecável do app (e ao seu sotaque britânico que conduz a meditação <3). Você aprende o básico em 10 sessões de 10 minutos, ganha pontos por regularidade e pode salvar gravações para usar quando estiver offline. É o preferido das celebridades inglesas.

(para iPhone e Android, gratuito para as primeiras dez sessões)

 

4) Calm 

IMG_0018   IMG_0013   IMG_0015

Lindo! Minimalista e meticuloso, o aplicativo começa ensinando os 7 passos da calma (postura, respiração, etc.) e se propõe a ser a sua válvula de escape quando a pressão estiver forte demais. Além de calma, os programas também tratam de foco, perdão, gratidão, força e paz interior, motivação, aceitação e sono. A gravação é uma voz feminina sexy e às vezes divertida, que lembra um a voz da Samantha do filme Ela, só que um pouco mais coxinha. A versão grátis oferece 10 meditações para diferentes situações, e a compra da versão Pro, por US$4,99 para três meses, traz mais séries e mais músicas. Tem também para a web.

(para iPhone e Android, gratuito)

 

5) Smiling Minds

smile 1   smile 2   smile 3

Desenvolvido na Austrália, este é voltado principalmente para crianças e jovens. Divide-se em três faixas etárias de sete a 22 anos, e mais uma para adultos. O objetivo deste projeto (sem fins lucrativos), é promover a meditação como forma de explorar o momento presente, focando sua atenção e consciência de maneira específica. “Queremos dar ferramentas para ajudar a criar jovens felizes, saudáveis e com compaixão”, diz a empresa. Também tem versão web.

(para iPhone e Android, gratuito)

 

6) Breathe2Relax

IMG_0019   IMG_0020

Não é bonito e mais parece um site em flash dos idos 00s, mas este app é focado em desenvolver habilidades respiratórias para usá-las no relaxamento do corpo e da mente. Ele basicamente começa ensinando o que é a respiração diafragmática e os seus benefícios, detalha os efeitos do estresse e ensina diferentes exercícios para levar o corpo a um estado mais relaxado, para reduzir a ansiedade e estabilizar o humor.

(para iPhone e Android, gratuito)

(Imagens: Divulgação)

 

Aplicativo de iPhone detecta câncer de pele melhor que muito médico

Crédito: Universidade de Houston
Dermoscreen avalia lesões na pele que podem ser malignas. Crédito: Universidade de Houston

Um app para iPhone criado pela Universidade de Houston, nos Estados Unidos, consegue avaliar pintas, verrugas e lesões na pele e determinar se são malignas, o que poderia melhorar muito o diagnóstico e tratamento de milhões de pessoas que vivem em regiões com pouco acesso a médicos.

Claro que ele não faz isso com a câmera do celular (que a gente sabe que melhorou muito de algumas versões para cá mas ainda não é perfeita). É preciso um acessório especial, chamado dermoscópio, que usa lentes de aumento e ilumina a pele a ser fotografada, para conseguir uma avaliação mais precisa.

Segundo o criador do aplicativo, chamado Dermoscreen, o professor de engenharia George Zouridakis, testes iniciais indicaram uma precisão de diagnóstico de 85%, similar a de dermatologistas e melhor que a de clínicos gerais. Se o resultado do Dermoscreen é positivo, o paciente é imediatamente encaminhado para um especialista.

O risco de falsos negativos (quando o câncer existe mas não é detectado pelo software) existe, e por isso o app ainda está em fase de testes na universidade, mas sua patente para o diagnóstico de melanoma, um dos mais letais tipos de câncer, já foi emitida pelo governo dos Estados Unidos.

Além disso, a invenção pode ser usada em outros tipos de doenças dermatológicas fatais: os Institutos Nacionais de Saúde dos Estados Unidos doaram mais de 400 mil dólares (cerca de 885 mil reais) para testar o Dermoscreen no diagnóstico da úlcera de Buruli, uma doença bacteriana que destroi a pele, que é comum na África subsaariana.

A ideia de usar smartphones para diagnosticar doenças está cada vez mais comum, e só mostra o poder de processamento de dados desses aparelhinhos que vivem jogados na bolsa ou mochila. Existem várias ferramentas nesse sentido pipocando pelo mundo e até no Brasil, como a de Vitor Pamplona, pesquisador ligado ao MIT, que em 2011 criou um aplicativo semelhante para o diagnóstico de catarata.

Via Recode.

Assine a newsletter do Ada: