A China e seu firewall de mil cabeças

travolta
(coluna do Ada na revista TPM, publicada na edição de agosto/2015)

Fiz uma viagem recente à China, meio a trabalho, meio a passeio. Eu nunca tinha estado antes na Ásia. O meu irmão, que vai com alguma frequência, me avisou por whatsapp antes de viajar: “Não se esqueça de que na China a internet é 100% controlada. Todos os teus e-mails são monitorados. Você vai perceber que a velocidade de download dos e-mails cai muito. O único site estrangeiro de busca que efetivamente funciona é o Yahoo e não lembro se o whatsapp é liberado.”

Eu sabia da existência do Firewall, a censura digital chinesa que faz com que a internet lá não seja livre, mas na minha cabeça eu inconscientemente resumi isso a “uma internet mais lenta”. Não devia ser tão ruim assim.

Depois de três dias em Hong Kong com wifi gratuito e megarrápido na cidade inteira, chegamos à China continental. Instagram, WhatsApp, Chrome, Gmail, Youtube, Messenger, Facebook, Slack, Foursquare e… meu deus, o tradutor! Todos mortos. Até o meu despertador fofinho  estava fora do ar. Foi como despencar em Marte.

Sim, a China “desliga” pedaços enormes da Internet, criminaliza a liberdade de expressão online e tem o maior número de jornalistas e cyberdissidentes presos do mundo. Essa muralha digital imposta pelo governo chinês censura e controla tudo o que as pessoas leem, fazem, curtem ou postam quando estão conectadas. Um exercício: imagine um lugar onde conversar com pessoas de outro país, (seja em fóruns, mensageiros ou redes sociais) é crime. Ou onde assinar uma petição online ou ler uma palavrinha de sabedoria do Dalai Lama pode te levar pra cadeia. Pior do que isso: imagine uma vida sem Google. Tá certo que existe um “Google chinês”, o Baidu, mas os algoritmos de busca são ridículos, exatamente por terem que ignorar pedaços inteiros da rede. Até os chineses reclamam.

“Impossível”, foi o meu veredito. Já no primeiro dia burlei o sistema contratando um serviço VPN (Virtual Personal Network); uma ferramenta que diz para a internet que o seu computador/smartphone está em outro país cada vez que você se conecta a um wifi. Ufa, paredes derrubadas. Respirei aliviada por alguns minutos, até me cair a ficha que eu também poderia estar sendo vigiada. Dali até o final da viagem convivi com a sensação de que alguém bateria na minha porta a qualquer momento.

Ao longo da viagem conversei com vários chineses; de coroas para quem o Facebook era um conceito bastante difuso, até adolescentes consumidores assíduos do tal VPN, que tinham acabado de criar suas contas no Instagram. Fiz tantas perguntas sobre as suas rotinas digitais que cheguei a incomodar, mas no fundo eu só queria entender as implicações de um país tão poderoso e influente construir a sua própria internet e ir contra a maior força da rede: transparência e compartilhamento. Quando isso some, o que sobra é poder e controle, mas também a emergência do lado B. A recém-criada Deep Web chinesa cresce a olhos vistos e já tem fama de abrigar bizarrices meio perturbadoras e movimentar um comércio ilegal de milhões de dólares.

Foi estranho experimentar uma internet presa em pleno 2015,  mas foi bom sair da minha bolha digital, imaginar como a vida poderia ser e entender quão precioso é ter acesso à informação sem paredes de fogo. De fato, eu nunca tinha parado para pensar no significado de viver em um país onde a web não é qualquer coisa que ela quiser ser. Prometi a mim mesma reconhecer o valor dessa liberdade todos os dias.

eu, com medo da polícia da internet ¯\_(ツ)_/¯

As Minas da Web: Janie Paula, Buxixo de Mães

Screen Shot 2015-03-01 at 12.17.52

Janie foi mãe do Nicholas aos 16. Uma cesariana. Quando engravidou de Maia aos 28 questionou algumas escolhas pela falta de preparação da sua primeira maternidade. Sentiu que precisava de informação para poder escolher melhor, mesmo que optasse pelas mesmas coisas.

Com incentivo de uma amiga e grande ajuda da internet, descobriu um universo que se transformaria no seu modelo de vida e negócio. Janie continuou na publicidade até a última semana de gravidez, mas usava o seu “tempo de tela” para estudar. Depois do parto de Maia tudo mudou. Hoje ela encabeça um movimento multiplataforma que traz informação e diálogo a milhares de mulheres sobre parto natural, amamentação, educação com respeito e maternidade ativa. No seu escasso tempo livre, ela faz a mediação de mais de 1.600 mães no projeto Buxixo de Mães, é doula (sua principal fonte de renda), tem um blog, 2 perfis de instagram, 3 páginas no Facebook e 4 sites e usa a internet para promover encontros virtuais e presenciais.

 

Não pergunte ao Google

No pós-parto de seu primeiro filho, Janie se viu sozinha. Os seus amigos adolescentes sumiram e ela não tinha ninguém com quem falar sobre todas aquelas mudanças. No final da segunda gravidez ela teve medo de passar pelo mesmo. A maternidade era o seu principal (se não único) tema de conversação: “Ninguém mais dava conta da minha demanda, eu só falava sobre bebês e maternidade. É injusto cobrar esse interesse do outro” ela conta. A lista de discussão da parteira Ana Cristina Duarte no Yahoo foi a sua salvação. Lá ela se informou a partir de exemplos reais e compartilhou momentos íntimos com desconhecidas. “Quando você busca artigos na internet sobre o assunto, tipo usar ou não chupeta, tem um monte de informação contraditória. Todo mundo tem um manual de como criar um bebê e todos querem dar sua opinião na internet. As trocas em forums são mais humanas.“, conta.

Screen Shot 2015-03-01 at 12.14.08

Por conta dessa lista, Janie pensou que seria legal criar um grupo menor só com as mães que ela foi conhecendo ao longo da gravidez. O Buxixo de Mães nasceu junto com Maia, em dezembro de 2012. O grupo começou no Facebook com 40 mulheres que precisavam falar abertamente, sem verdades absolutas. Elas usavam a rede para tirar dúvidas, desabafar e marcar encontros com os pequenos em livrarias, salões de festa e parques. A hashtag #buxixodemaes começou a bombar no Facebook e logo outras mulheres se interessaram. Para atender a demanda, Janie criou um segundo grupo, onde passou a receber mães do Brasil inteiro. Nos 3 primeiros dias 600 mulheres se inscreveram.

 

Big data, big love

A admissão acontece a partir de um formulário. Uma vez aprovadas, são adicionadas no “Mapa das Vizinhas”. Janie geo-localiza todas elas no Google Maps para que saibam quem mora por perto e incentivar encontros reais. O grupo já promoveu encontros até na Austrália. Desse convívio surgem muitas melhores amigas, parcerias profissionais e até sociedades.

Screen Shot 2015-03-01 at 14.33.35

Na internet rola de tudo nos grupos ativistas, o povo é muito pé na porta. Escrevem para impor valores sem se colocar no lugar do outro. O Buxixo era diferente, a gente só não queria se sentir sozinha.” diz. Claro que já houveram barracos, e pelo volume/velocidade de informação que trafega pelo grupo (40 posts por dia, alguns com mais de 1.000 comentários) nem sempre é fácil mediar. De qualquer forma: lá dentro elas partilham valores. A sua parceira e amiga Yara Tropea entrou para a força-tarefa e hoje é fundamental no Buxixo.

Com o tempo Janie notou que listas fechadas tem uma grande força nesse universo e passam mais confiança: “Você parte do princípio que aquele conteúdo é real e curado, como uma indicação de uma amiga“, diz. O Buxixo também organiza bazares virtuais de troca e venda e seções como “Eu Faço”, onde a mulherada divulga os seus talentos e negócios sem flodar o feed.

 

Modo avião

Os smartphones diminuem muito a solidão do pós-parto, faz com que essas mães se sintam conectadas com o mundo.“, diz. Ao mesmo tempo Janie as incentiva a largar o celular nos momentos importantes, para que olhem os filhos sem a mediação de telas. “A internet é fundamental na minha vida, mas hoje tenho menos tempo para ela. A gente acaba fazendo tudo no tempo materno, sem pressão“, conta.

Mesmo assim Janie criou o Te Vi Nascer, um blog que reúne relatos de parto e o Enquanto eu Amamento, um perfil de insta que compartilha fotos lindas de mães alimentando os seus bebês. Ao todo, são 7.000 mulheres conectadas sob a sua tutela e mais 600 na lista de espera do Buxixo.

Screen Shot 2015-03-01 at 13.28.02

Quando perguntei qual era o seu modelo de negócio, ela foi clara: “Sucesso pra mim não é medido por dinheiro.” Hoje ela não quer focar na necessidade do crescimento e pretende ter paciência para deixá-lo crescer naturalmente, sem metas e sem pressa. Ela confessa ter passado (e ainda passar) por muitos questionamentos sobre o que o Buxixo poderia virar. Um livro? Um curso? Um lugar físico para encontros? “O grupo é uma premissa de valores que pode usar qualquer ferramenta para fazer o que ele se propõe a fazer. Ele nunca vai ser uma coisa só“, garante.

Mas como o seu próprio uso da Internet reflete nos seus filhos? Janie levou um susto quando, aos 11 anos, Nicholas não sabia o que era um selo de carta, mas também não sabia o que era Facebook. Para ela, é necessário acompanhar de perto todo este amadurecimento digital para empurrá-lo em outras direções além do feed, além de restringir o tempo de acesso. “Hoje ele tem 15, então se depender dele é só Whatsapp. Nem email ele usa.” Ela consegue segurar os excessos do filho adolescente, mas confessa lidar com dificuldade com o seu próprio consumo. “Eu tenho orientá-lo o máximo possível pra que ele faça um bom uso da web, aprenda a pesquisar direito, a achar coisas legais… mas às vezes ele mesmo pede para eu sair do celular.

* créditos das imagens na ordem de aparição: Luciano Bergamashi, Lela Beltrão e Stephanie Salateo.

Quando a firma paga para você ser mãe mais tarde

egg

Quer colocar sua carreira em primeiro lugar antes de ter filhos? Se você trabalha (ou quer trabalhar) para a Apple ou o Facebook nos Estados Unidos, deu sorte. As duas empresas estão oferecendo um novo benefício extra para suas funcionárias: elas pagam pelo congelamento dos seus óvulos.

Ambas empresas vão dar até US$ 20 mil a cada funcionária que quiser passar pelo procedimento, segundo o canal de TV NBC*. Cada ciclo de extração de óvulos custa US$ 10 mil, mais US$ 500 por ano pela manutenção.

Como seguros-saúde não costumam cobrir procedimentos de fertilização in vitro, a novidade foi vista como um modo de atrair mais mulheres, já que o ambiente corporativo do Vale do Silício é notadamente masculino

Leia também: Esposas do Silício

O congelamento de óvulos faria parte de um já parrudo pacote de benefícios dessas empresas. O Facebook, por exemplo, oferece quatro meses de licença remunerada tanto para pais quanto mães (quando o padrão nos Estados Unidos é três meses sem pagamento, e nem é garantido por lei), auxílio-creche, um bônus de US$ 4 mil para gastar como quiser com o bebê e flexibilidade para trabalhar em casa alguns dias por semana. O Facebook, não custa lembrar, é onde a Sheryl Sandberg do movimento “Faça Acontecer” trabalha.

O resto das empresas de tecnologia é igualmente generoso em seus pacotes de benefícios*

O problema é que congelar óvulos não é garantia de conseguir engravidar mais tarde. A própria Associação Americana de Medicina Reprodutiva só deixou de considerar a técnica como experimental há dois anos, segundo a NBC. Antes, ela era mais usada em casos de pacientes com câncer cujo tratamento poderia deixá-las inférteis.

Uma pesquisa do ano passado mostrou que uma mulher que congele seus óvulos com 21 anos tem 43% de chance de engravidar quando usá-los*, não importa a idade; aos 38, 34%; aos 45, 12%.*.  Outro estudo diz que não importa a idade no momento do congelamento, a chance de engravidar com óvulos congelados após os 30 anos é de 25%*.

Claro que é melhor que nada, mas mesmo os médicos que recomendam a técnica dizem que é melhor congelar no mínimo 20 óvulos (o que exige dois ciclos de extração) e quanto mais cedo, melhor.  Leia como funciona o congelamento de óvulos.

O procedimento tem sido bastante procurado porque é visto como uma espécie de seguro-bebê: a lógica é que se não dá para ter filhos agora, pelo menos você fez tudo que podia para ter essa possibilidade lá na frente.

Tá, mas…

À primeira vista, parece um ótimo benefício para quem está angustiada com seu relógio biológico, mas ele me deu uma sensação de estranhamento. Claro que é interessante para a Apple e o Facebook que suas funcionárias dediquem a maior parte de seu tempo, em seus anos de pico de fertilidade, a seus empregadores e não a bebês que vão deixá-las insones e preocupadas.

É como se eles estivessem pagando às suas funcionárias para adiar a maternidade. Não estou sozinha nessa sensação: ”Quem escolher ter filhos pode ser estigmatizada como pouco comprometida com sua carreira. Do mesmo modo que os benefícios típicos de empresas de tecnologia como almoços e lavanderia gratuitos servem para manter os empregados mais tempo dentro do escritório, o mesmo pode acontecer com o congelamento de óvulos, que adia a licença maternidade e a responsabilidade com os filhos,” escreve o New York Times*

“Me preocupo como esse benefício vai ser ser usado pelas mulheres entre 20 e 30 e poucos anos,” disse Seema Mohapatra, uma especialista em bioética ouvida pelo mesmo artigo do New York Times. “Elas podem pensar: ‘Se eu quero ser vista como uma profissional séria e chegar a vice-presidente, eu não posso tirar licença-maternidade. Eles estão me oferecendo essa apólice de seguro ou então eu vou ser vista como alguém que só quer ser mãe,’” disse ela ao jornal.

A Apple pelo menos jura que sua intenção é das melhores. “Nós queremos empoderar as mulheres da Apple a fazer o melhor trabalho de suas vidas enquanto elas cuidam de seus entes queridos e criam suas famílias,” disse um porta-voz da companhia em uma declaração ao Techcrunch*

O melhor que qualquer empresa pode fazer por suas funcionárias é apoiar suas escolhas, sejam elas ser solteira, adiar a maternidade ou constituir família, sem medo de represálias ou serem preteridas em promoções. Uma política nesse sentido vai valer bem mais que vinte mil dólares.

*Links em inglês

Crédito da foto: Fertility Research Centre, G G Hospital, Chennai

O que é esse tal de Ello?

Brasileiro ama uma rede social. É tão lugar-comum para a gente que nem pensamos muito nisso, mas os brasileiros passam mais tempo em redes sociais que qualquer outra nacionalidade (13,8 horas por mês) e são os que mais compartilham conteúdos (71% dos usuários), segundo dados do SurveyMonkey divulgados pelo TechTudo. Basta dizer que Orkut virou verbo aqui, e em boa parte do resto do planeta as pessoas não fazem ideia do que significa. E nos dias finais do bom e velho Orkut, surge o Ello, uma nova rede social surgiu para fazer a gente se coçar de vontade de ir para lá.

(Aliás, como pronuncia? Nos Estados Unidos estão chamando de “élou”, mas paulistana italianada que sou, sempre leio como “éllo”. Ah, e se você já estiver por lá, siga a gente.)

O Ello chama a atenção por ter um design limpo e prometer não ter anúncios. Ganhou notoriedade como o anti-Facebook, especialmente desde uma polêmica com a comunidade LGBT, já que o Facebook permite apenas o uso de nomes reais em perfis pessoais, nada de apelidos ou nomes artísticos.

A pendenga foi resolvida, mas com isso, o Ello ganhou impulso e está recebendo cerca de 40.000 pedidos de convite por hora*. A gente adora um clube que não nos aceita como sócios.

A tela de entrada do Ello: só com convite.
A tela de entrada do Ello: só com convite.

Como o Facebook e o finado Orkut no seu início, só dá para entrar no Ello com convite, seja por alguém que já está lá ou pedindo no site. Daí, você pode seguir outros perfis, separando por duas categorias particulares: Amigos (“Friends”) ou Barulho (“Noise”). Quem você segue não fica sabendo em que categoria você o colocou. Basicamente você pode postar texto ou fotos, responder a outros perfis como no Twitter, e só.

O Ello ainda não tem aplicativo para smartphone, e como ainda está em fase de testes, a navegação pelo iPhone é bem chatinha e cheia de pequenos erros. No computador, é mais tranquila, mas navegar pelo Ello, configurar seu perfil e postar conteúdo não são processos muito intuitivos. Passei uns dez minutos tentando descobrir como postar um gif, caixas extras de texto abriam que eu não entendia como fechar. Um especialista em usabilidade postou uma crítica extensa ao design do Ello no Medium*.

A promessa de não ter anúncios também é atraente à primeira vista, mas a verdade é que se uma rede social vai ser gratuita, ela precisa ter um modelo de negócios. Não sai de graça manter um site: há custo envolvido em manutenção de servidores, salários dos programadores, gerenciamento do site etc. Se um site ou rede social não custa nada a seus usuários, isso normalmente significa que o produto são eles mesmos.

O manifesto do Ello: "você não é um produto". Certo, então qual é o produto?
O manifesto do Ello: “você não é um produto”. Certo, então qual é o produto?

O Ello diz que a ideia é manter os dados de seus usuários privados e cobrar por funcionalidades extras da rede. Mas você pagaria para manter um álbum de fotos no Ello, quando há tantas opções gratuitas disponíveis? Ou dar likes nos posts de seus amigos quando isso é tão fácil no Facebook?

Não vou dizer aqui que eles estão mentindo na cara dura e que mais para a frente vão colocar anúncios. Mas a possibilidade de cobrar por funcionalidades extras em uma rede social ainda nascente não me parece plausível e muito menos que convenceria um fundo, que espera retornos altíssimos de seu capital, a investir 435 mil dólares no Ello*. Este texto do YouPix investiga esta questão mais a fundo.

O Ello vai ser o novo Facebook? Ainda é muito cedo para dizer. Ele certamente provou que existe apetite e mercado para redes sociais além do gigante azul do tio Mark. Se o Ello vai conseguir destroná-lo, é outra história.

*links em inglês

Créditos das imagens: Reprodução

Assine a newsletter do Ada:

Por que a vida de todo mundo no Facebook parece melhor que a sua

Já dizia Chico Buarque: Procurando bem/ Todo mundo tem pereba / Marca de bexiga ou vacina /E tem piriri, tem lombriga, tem ameba/Só a bailarina que não tem.

Mas nas redes sociais, nossos amigos são bem mais bailarina que todo mundo, já reparou? Vidas sociais bombando, relacionamentos perfeitos, famílias lindas, empregos ótimos.

O curta de Shaun Higton, “What’s on your mind?” fala justamente disso: como as pessoas editam sua vida no mundo online para parecer muito mais interessante do que realmente é:

Para lembrar da próxima vez que bater aquela invejinha da suposta vida maravilhosa de alguém no Facebook ou no Instagram: as pessoas são bem mais complexas do que a imagem que elas querem construir de si no mundo online.

Via Gizmodo.

Artista coloca emojis em pinturas clássicas

Se a arte representa o estado de espírito de um povo em um determinado momento, a artista ucraniana Nastya Ptichek acertou em cheio na série de montagens Emoji Nation, em que incorpora emojis, aqueles ícones usados em chats e mensagens de texto, em quadros de pintores famosos como Edgar Degas, Edvard Munch, Pablo Picasso, Caravaggio e Edward Hopper.

Além de emojis, ela também usa imagens de redes sociais, como Facebook, Instagram, partes de sites do Google e mensagens de erro do Windows.

Segundo contou ao site da Wired, Nastya teve a ideia quando percebeu como alguns emojis do iPhone (o Grito de Munch sendo o mais clássico de todos) lembravam pinturas famosas, como pinturas conhecidas, e resolveu criar a série. Olhe como ficou:

"Duas bailarinas entrando no palco", Edgar Degas
“Duas bailarinas entrando no palco”, Edgar Degas
"A bebedora de absinto", Pablo Picasso
“A bebedora de absinto”, Pablo Picasso
"O Grito", Edvard Munch
“O Grito”, Edvard Munch
"Saturno devorando seu filho", Goya
“Saturno devorando seu filho”, Goya
 "A Travessia", Léon Spilliaert
“A Travessia”, Léon Spilliaert
''Domingo'', Edward Hopper
”Domingo”, Edward Hopper
''Conferência à Noite'', Edward Hopper
”Conferência à Noite”, Edward Hopper
''Noite de Verão'', Edward Hopper
”Noite de Verão”, Edward Hopper
Excursão filosófica, Edward Hopper
Excursão filosófica, Edward Hopper
"Luz do Sol em uma cafeteria", Edward Hopper
“Luz do Sol em uma cafeteria”, Edward Hopper
"A criação de Adão", Michelangelo
“A criação de Adão”, Michelangelo
"Ascensão de Cristo", Dosso Dossi
“Ascensão de Cristo”, Dosso Dossi
"A traição das imagens", René Magritte
“A traição das imagens”, René Magritte
"Jardim das Delícias", Hieronymus Bosch
“Jardim das Delícias”, Hieronymus Bosch

(Via Mashable)

(Crédito de todas as imagens: Nastya Pitchek)

#comofaz: Você sabe proteger a sua privacidade no Facebook?

Screen Shot 2014-04-07 at 14.17.25
Que tal dar uma “polida” na imagem que você passa para os outros no Facebook?

crédito da imagem: Stephanie Lenz

 

Às vezes não dá para dizer se é bom ou ruim, mas parece que hoje em dia todo mundo está no Facebook. Quem está lá há muito tempo, tem pena de abrir mão da sua praticidade, e sente que ficar de fora seria perder acesso a uma camada bem grande da vida social. Quase como perder a melhor festa do ano todos os dias. Quem chegou há pouco, ainda está conhecendo esta pequena selva, mas já entendeu que mais do que uma rede social, o Facebook é um contexto social. 

Nós no Ada não defendemos nem apedrejamos qualquer tipo de uso que a rede possa te proporcionar. Seja por trabalho, seja pela facilidade de descobrir eventos, seja para observar o seu ex e a sua atual família; a internet é um livro aberto e um caderno em branco ao mesmo tempo. Sirvam-se à vontade e salve-se quem puder. O que nós defendemos, e aí sim, com unhas e dentes, é que a gente saiba o quê e com quem estamos compartilhando as informações que colocamos (ou que colocam) na nossa linha da vida (quer metáfora mais forte do que essa?!). Por isso este tutorial: você sabe o quê e como você compartilha a sua vida no Facebook? Bora aprender.

 

Quem pode ver o que você posta?

Dica número zero: cada vez que você faz um post, há um ícone bem humilde em formato de globo terreste com a palavra “público” lá embaixo.

Screen Shot 2014-04-06 at 22.00.54

Este é o jeito mais fácil de decidir, post a post, quem você quer que leia, ouça ou veja o que você está compartilhando. Escolha uma das opções pré-definidas (público, amigos, amigos exceto conhecidos, só você) ou faça a sua lista negra personalizada. Sim, isso mesmo, escolha “personalizar” e marque a pessoa (ou o grupo delas) que você quer manter de fora. Nesta hora você pode escolher até se quer que os amigos das pessoas marcadas naquele post saibam do que você está falando. OBS: o Facebook vai lembrar da sua escolha na próxima publicação, por isso é legal manter esse exercício como uma prática mesmo. Ajuda horrores e no fim das contas você se acostuma 🙂

 

Como ver tudo o que você já fez no Facebook?

Clique nesta tímida setinha no canto superior direito do seu Facebook e você vai achar uma área com o nome “registro de atividades”.

Screen Shot 2014-04-06 at 22.12.44

É aqui que você consegue ter a visão geral da situação.  Nesta área você pode descobrir coisas importantes, como em quais fotos, posts ou vídeos você foi tagueada, por exemplo. Use os filtros no topo para ver o conteúdo que você escondeu da sua timeline e descobrir quem pode ver esses posts tagueados no Feed de notícias, na busca e em outros lugares no site. (respira fundo e vai com fé!). Se tem alguma coisa que você quer destaguear e for sua, clique no ícone de lápis e selecione “excluir”. Se a publicação pertence à outra pessoa, escolha “denunciar/remover marcação”. Nessa área também dá para ver todas as curtidas e comentários que você fez em um só lugar. Tá na dúvida se fez merda naquele madrugada de bebedeira? Aqui você descobre.

 

Quem pode entrar em contato com você?

Volte naquela mesma setinha tímida, só que agora escolha “configurações”. Uma vez na página, escolha “privacidade”.

Screen Shot 2014-04-07 at 11.00.48

 

Se você reparar na lista, é na segunda pergunta que você deve restringir quem pode te enviar solicitações de amizade. O default é “público”, mas você pode mudar para amigos de amigos para evitar as pessoas malucas da internet (não que os nossos amigos não sejam). Lá também dá pra criar filtros de quem pode te mandar mensagens diretas. Simplão.

 

Quem pode te achar?

Acho essa opção providencial! Siga na mesma página onde você estava, só que agora clique na terceira pergunta: “Quem pode me procurar?” Aqui você decide por quem você quer ser encontrada com o seu endereço de email ou telefone. Isso evita bastante aquele povo de palestras e eventos que a primeira coisa que faz com o seu cartão é te adicionar no Facebook.

Agora o mais importante: NÃO PERMITA QUE O FACEBOOK OFEREÇA A SUA LINHA DO TEMPO PARA MECANISMOS DE BUSCA! Isso implica que qualquer pessoa que te procurar no google possa ver a sua linha do tempo, as suas fotos de bebê etcétera e tal.  Tem uma caixinha lá da qual você precisa tirar o “x”.

 

Uma linha do tempo para chamar de sua

Ainda estamos na página de privacidade, só que agora escolhemos o ítem “linha do tempo e marcações”.

Screen Shot 2014-04-07 at 11.14.41

 

Aqui vale a pena dar uma passeada e ler item por item. É neste ponto que você decide o tipo de privacidade e controle que você quer ter na sua linha do tempo. Aproveite para bloquear os posts reaças do seu amigo do colégio que faz questão de compartilhar com você. Também altere as configurações para que o Face te peça autorização antes de qualquer post te marcando seja incluído na sua timeline. Muito necessário!

 

O poder do não

É importante a gente bloqueie o acesso de certas pessoas a certas áreas da sua vida. A vida offline também é assim, então esse é um exercício que temos que fazer sem medo e sem dó. Dê uma olhadinha na coluna da esquerda, e agora escolha “bloqueio”.

Screen Shot 2014-04-08 at 16.37.28

Tem pessoas no seu Facebook que você não pode excluir? Não se preocupe: crie uma lista de “restritos” a quem só será visível o que você publicar publicamente. Importante lembrar que ninguém é notificado quando é adicionado a uma lista negra. Nem a sua mãe 😉 Mas se o caso é grave mesmo, bloquear alguém dá um poder libertador. Quando bloqueada, a pessoa não pode começar uma conversa com você, não pode ver a sua timeline ou tentar de adicionar como amiga. É tenso, mas tem horas que só isso resolve. Outra mágica, aqui você também bloqueia convites de aplicativos (tchau Candy Crush!) e convites para eventos de uma determinada pessoa.

 

Testanto, testando… um, dois. um dois

Já teve vontade de ver como uma pessoa específica vê o seu perfil?  Vem ver aqui embaixo!

Screen Shot 2014-04-07 at 11.42.43

 

Ta-daaa!

Firefox se redime com a comunidade LGBT, primeiro de abril e mais nos links da semana

Os links que compartilhamos na página do Ada no Facebook esta semana:

Brendan Eich. Crédito: Fundação Mozilla
Brendan Eich. Crédito: Fundação Mozilla

– O site de relacionamentos OKCupid resolveu tomar uma posição séria quando veio a público que Brendan Eich, o novo CEO da Mozilla (fundação e empresa dona do browser Firefox) apoiava causas antigays, e divulgou uma carta de repúdio no site.

EXTRA! EXTRA! EXTRA! Nesta quinta-feira (3), a Mozilla anunciou que Brendan Eich pediu demissão tanto do cargo de CEO da empresa quanto do seu posto no conselho da fundação. Em um post no blog da Mozilla, a presidente executiva da empresa Mitchell Baker escreveu: “Nós entendemos porque as pessoas estão bravas e magoadas, e elas têm razão: nós não nos mantivemos fiéis aos nossos valores e verdades. Precisamos melhorar, e queremos continuar defendendo uma internet livre.” [links em inglês].

– A professora da ECA-USP Elizabeth Saad Corrêa publicou um artigo na Folha de S.Paulo que explica qual a lógica dos algoritmos dos anúncios de redes sociais como o Facebook e Google+, que no fim, se resume à velha máxima: não existe almoço grátis.

– Se você usa o Tinder ou está pensando em usar, leia esta matéria que a Diana Assennato, uma de nossas editoras, escreveu para a Revista TPM no fim do ano passado, quando o aplicativo de paquera estava pegando fogo.

O Gmail deixou todo mundo com cara de “quê?!” com a pegadinha dos shelfies. Crédito: reprodução.

– E por último, um resumo das melhores pegadinhas do Primeiro de Abril, feitas pelos grandes sites e empresas de tecnologia, como Google, Samsung e Waze. Você chegou a cair em algum deles? 🙂

 

 

 

 

Para saber de tudo que a gente discute nas redes sociais, siga o Ada no Facebook e no Twitter.

Por que você deveria se importar com o que o Facebook compra

Protótipo do Oculus Rift. Crédito: Reprodução.
Protótipo do Oculus Rift. Crédito: Reprodução.

Cada vez que o Facebook compra uma empresa incrível por bilhões de dólares, morre um canguru-bebê. Não é de hoje que o gigante das redes sociais assusta cada vez mais com a sua voracidade e vontade de ter tudo, falar com todos e estar em todos os lugares. No fundo, o problema não chega a ser a troca de mãos, porque empresas trocam de donos no Vale do Silício mais rápido que casais se formam e desformam em blocos de Carnaval. A questão é a falta de transparência ao divulgar o que Zuckerberg pretende fazer com aquele serviço que a gente amava tanto. (Sim, estamos falando de você, Whatsapp)

Ontem o Facebook pagou US$2 bilhões pela Oculus, uma startup obcecada pela perfeição, de apenas 18 meses de vida e especializada em realidade virtual imersiva. Lembra daqueles óculos grandões bem anos 90 que as pessoas vestiam para “sentir uma experiência imersiva”? Tipo isso, só que com imagens ultra realistas, muito incrível e totalmente do futuro.

Em seu post oficial, Mark disse que, nos últimos anos, manter as pessoas cada vez mais conectadas significava desenvolver aplicativos que nos ajudassem a compartilhar melhor e mais rápido através dos nossos celulares. O Facebook ainda tem muito chão nessa estrada (e eles não foram exatamente rápidos nos seus desenvolvimentos de aplicações móveis), mas como os planos são mesmo de dominação mundial, já estão começando a olhar para outras direções. Como será a rede social do futuro? Que formato ela deve ter para fazer parte do nosso dia-a-dia cada vez mais? Qual é a cara dessa plataforma e onde ela existirá?

É certo que ninguém tem essa resposta, mas a compra da Oculus aponta uma direção: sistemas de realidade aumentada são fortes candidatos a ser a próxima plataforma de computação de um futuro não tão distante assim. Estamos falando de 5 a 10 anos! :O

Mas então a ideia é que as pessoas vistam esses ~óculos~ para usar o Facebook da forma que a gente já conhece? Pense de novo: porque não trocar uma ideia olho-no-olho com uma versão 3D da sua melhor amiga que decidiu tirar um sabático do outro lado do mundo? Ou assistir um desfile da Fashion Week de Nova York sentadinha na platéia? Ou fazer uma consulta de urgência com a sua dermatologista (que por sinal, adora os seus posts de gatos)? Ou participar de uma aula com alunos e professores do mundo inteiro? Preparem-se: Mark Zuckerberg quer vender experiências.

Mas é claro que o Feissy não vai reestringir esse uso tão maravilhoso e de infinitas possibilidades só à bom conteúdo, afinal quem paga essa festinha toda ainda é a publicidade. Banners? Pfff. Imagine a Dafiti entrando no meio (literalmente) da sua conversa te oferecendo dois pares de sapato pelo preço de um (já que é o aniversário da sua amiga). É meio por aí.

Mas enquanto o Facebook ainda não f%$# com o virtuosismo da Oculus, conheça este projeto incrível. Em The Machine to be Another, voluntários usam o dispositivo para experimentar a sensação de ter um corpo do gênero oposto. Projeto lindo que permite uma série de reflexões, quem sabe para outro post 😉

Veja o vídeo abaixo:

Gender Swap – Experiment with The Machine to Be Another from BeAnotherLab on Vimeo.