16 nov 2017

NuConta: tudo o que você precisa saber sobre a conta do Nubank

por Giulia Laseri

7 min. de leitura
NuConta: tudo o que você precisa saber sobre a conta do Nubank

Recentemente, a Nubank deu mais um passo importante no mercado financeiro. Reunimos aqui todas as informações que você precisa saber sobre a NuConta, a conta digital da fintech que ainda não é corrente.

A startup, que nasceu em 2013 em São Paulo, anunciou recentemente o lançamento da NuConta depois de muito mistério. Desde quando o convite para participar dos “próximos passos da revolução” fora feito, especulava-se sobre a empresa se tornar, de fato, um banco. Isso porque além de ser aberto ao público, o evento também foi transmitido online. Porém, era só a NuConta, pelo menos por enquanto.

O Daviz Vélez, CEO da empresa, apresentou o serviço afirmando que o objetivo do novo produto é redefinir a maneira como as pessoas irão guardar, investir e transferir dinheiro. A intenção é diminuir as burocracias de abertura, incentivar a redução do número de desbancarizados no país, que chega a 60 milhões de brasileiros (aproximadamente 30% da população) e desmistificar a complexidade do mercado de investimentos. Em entrevista ao Ada, David conta que a criação de um serviço de conta corrente era um dos pedidos que a Nubank mais recebia dos clientes.

Para a abertura da conta corrente não será necessária a análise de crédito prévia. A abertura também poderá ser feita de forma completamente online. Por enquanto, só está disponível em uma versão beta. Os interesados devem solicitar um convite para a abertura, no site oficial. O nome completo, o CPF e o e-mail terão de ser inseridos e, então, a pessoa será colocada em uma lista de espera. Ao longo dos próximos meses o produto será disponibilizado para aqueles que estiverem na lista, começando por quem já é cliente.

Quando estiver disponível para todo o público, qualquer cliente Nubank poderá abrir a conta com poucos cliques, e os novos clientes, poderão baixar o aplicativo e solicitar a abertura de conta em menos de 3 minutos. A expectativa é que esteja disponível para todos até o primeiro trimestre de 2018. No entanto, ainda não será possível sacar dinheiro em caixas eletrônicos. O que você pode fazer com essa conta e como funciona? Contaremos a seguir.

Como funciona a NuConta, conta da Nubank

As contas funcionam como poupanças, mas a taxa para correção do valor depositado é maior. Isso, pois qualquer valor depositado na NuConta passará a render automaticamente.

Como assim? Todo o dinheiro depositado é investido em LTFs – Letras Financeiras do Tesouro, títulos públicos pós-fixados. Os rendimentos acontecem todo dia útil, em uma taxa indexada ao CDI (Certificado de Depósito Interbancário). Ou seja, a rentabilidade acompanhará a taxa básica de juros, a Selic. Assim, se Selic aumentar, o dinheiro depositado na NuConta valorizará. Renderá a uma taxa próxima a 6,11% ao ano. Caso esse mesmo dinheiro fosse investido em uma poupança ou em CDBs, renderia menos (5,25% a.a. nas poupanças e 5,18% a.a. nos CDBs), pois está fixada em 70% da Selic + TR. Entretanto, diferente de muitos CDBs, que travam o valor, o cliente Nubank não precisará esperar o resgate para utilizá-lo. O dinheiro estará disponível para usar quando quiser.

Mas é seguro? Este tipo de investimento tem o que os economistas chamam de investimentos com risco baixo. Isso, pois quem honra com a dívida deles é o governo. A probabilidade do governo honrar a dívida é maior do que de entidades e instituições financeiras.

Como a Nubank irá garantir a segurança de risco de investimento? A Nubank ainda está operando como uma conta de pagamento. Isso significa que o dinheiro ficará separado no patrimônio da empresa. Ele não está segurado pelo FGC (Fundo Garantidor de Créditos), mas se o banco for liquidado, serão devolvidos R$ 250 mil por CPF.

Como a Nubank ganha com isso? O “truque” é o seguinte: a startup irá reter 1% do valor adicional com a intenção de pagar as contas de operação. Segundo Vélez, a intenção não é ganhar e nem perder dinheiro com o produto.

A conta é só digital? Por enquanto, sim. Pelo mesmo aplicativo que gerencia o cartão de crédito, será possível acompanhar toda a evolução dos investimentos em tempo real, tendo inclusive projeções futuras sobre os rendimentos, além de fazer transferências para outra NuConta ou contas em outros bancos, e até pagar a sua fatura Nubank, com a vantagem de ter o limite do cartão de crédito liberado instantaneamente. Segundo a Nubank, a NuConta é indicada para “qualquer pessoa que movimenta ou guarda dinheiro em uma conta corrente ou poupança, ou qualquer outra conta digital”.

E quanto a transferências? O interessante desse serviço é que não possui tarifa de manutenção. Assim, não há cobranças adicionais para transferências entre as NuContas e não é preciso enviar dinheiro via TED para contas correntes de outros bancos. Outra novidade: as transferências entre NuContas são feitas por meio de QR codes dentro do aplicativo. Um vídeo demonstrativo pode ser visto aqui. Você não pagará nenhum valor adicional para transferir seu dinheiro para contas da mesma titularidade ou para outras pessoas.

Entretanto, por ainda estar em sua versão beta, a própria Nubank não recomenda o cancelamento das contas em outros bancos. Isso, pois ainda não é possível realizar algumas operações ainda.

Mas então o que eu posso e o que eu não posso fazer com a NuConta?
Montamos aqui uma listinha para você não se perder:

Ainda não está disponível na Nubank:

  • Realizar DOCs (Documento de Ordem de Crédito);
  • Sacar o dinheiro em pontos físicos, como caixas eletrônicos;
  • Transferir dinheiro para uma conta fora do país;
  • Realizar pagamentos pelo Samsung Pay, Google Pay, Apple Pay e outros semelhantes;
  • Solicitar financiamentos;
  • Obter cheques especiais;
  • Realizar pagamentos por boletos bancários;
  • Agendamento de transferências;
  • Cartão de débito;

Está disponível na Nubank:

  • Abertura da conta 100% online;
  • Abertura da conta sem avaliação de crédito (pessoas com nome do Serasa poderão abrir a conta);
  • Transferência TED (ilimitados e sem limite de valor);
  • Pagamento fatura do cartão de crédito Nubank;
  • Transferências por QR code;
  • Rendimento do dinheiro depositado na conta.

Apesar de ainda ter um bom caminho pela frente, é sempre legal pensar no crescimento da fintech (nome utilizado para empresas e startups que usam tecnologias de forma intensiva para oferecer produtos e serviços financeiros), que, há aproximadamente um ano, recebeu um aporte de US$ 80 milhões de dólares de uma rodada de investimento liderada pelo DST Global, o primeiro investimento do fundo na América Latina. Em três anos, a Nubank recebeu investimentos milionários e, de acordo com o New York Times, está avaliada em 500 milhões de dólares.

Não é novidade que o setor financeiro é responsável pela movimentação de bilhões de reais anualmente no Brasil. Fintechs, como a Nubank, têm o potencial para gerar até 24 bilhões de dólares nos próximos anos, segundo análise feita pela Goldman Sachs sobre o relatório Fintechs Brazil’s Moment. No Brasil, o sucesso da Nubank impulsionou a criação de outras fintechs, como a Digio, do grupo Elopar, holding do Bradesco e Banco do Brasil. Além disso, também incentivou outros bancos à lançarem contas digitais, como é o caso do Banco Inter, que lançou a Conta Digital Intermedium em 2014 e atualmente possui mais de 100 mil clientes.

Hoje, com mais de 2 milhões de clientes, a Nubank possui três serviços em seu portfólio: a NuConta, o cartão de crédito, da bandeira MasterCard, e o programa de recompensas, lançado em agosto deste ano. O Reward, como foi chamado, é diferente da maioria dos programas, pois cada 1 real gasto equivale a 1 ponto, que pode ser acumulado, não tendo data de expiração. A assinatura pode ser cancelada a qualquer momento, é opcional aos clientes e não é gratuita. São cobrados R$ 19,00 mensais ou R$ 190,00 ao ano. Com a assinatura é possível acumular pontos e utiliza-los para apagar contas de hotéis, passagens aéreas, corridas do Uber, compras na Amazon e serviços de streaming, como o Spotify e a Netflix.

Segundo David Vélez, está nos planos da Nubank a inclusão dos pagamentos em boletos. “Esse é só o começo da revolução de verdade que vamos fazer no setor financeiro. Agora todos poderão ser clientes Nubank, e a partir disso as possibilidades são infinitas. No entanto, a prioridade é continuar melhorando a experiência da NuConta, do nosso programa de benefícios, o Nubank Rewards, e do próprio cartão de crédito”, diz o CEO. Além disso, os próximos passos da Nubank também inclui a obtenção da autorização do Banco Central para atuar como instituição financeira. O pedido está aberto há dois anos, mas, segundo David, estão na “reta final” para conseguir.

Deixe uma resposta