08 out 2017

A China e seu firewall de mil cabeças

por Diana Assennato

3 min. de leitura
A China e seu firewall de mil cabeças
travolta
(coluna do Ada na revista TPM, publicada na edição de agosto/2015)

Fiz uma viagem recente à China, meio a trabalho, meio a passeio. Eu nunca tinha estado antes na Ásia. O meu irmão, que vai com alguma frequência, me avisou por whatsapp antes de viajar: “Não se esqueça de que na China a internet é 100% controlada. Todos os teus e-mails são monitorados. Você vai perceber que a velocidade de download dos e-mails cai muito. O único site estrangeiro de busca que efetivamente funciona é o Yahoo e não lembro se o whatsapp é liberado.”

Eu sabia da existência do Firewall, a censura digital chinesa que faz com que a internet lá não seja livre, mas na minha cabeça eu inconscientemente resumi isso a “uma internet mais lenta”. Não devia ser tão ruim assim.

Depois de três dias em Hong Kong com wifi gratuito e megarrápido na cidade inteira, chegamos à China continental. Instagram, WhatsApp, Chrome, Gmail, Youtube, Messenger, Facebook, Slack, Foursquare e… meu deus, o tradutor! Todos mortos. Até o meu despertador fofinho  estava fora do ar. Foi como despencar em Marte.

Sim, a China “desliga” pedaços enormes da Internet, criminaliza a liberdade de expressão online e tem o maior número de jornalistas e cyberdissidentes presos do mundo. Essa muralha digital imposta pelo governo chinês censura e controla tudo o que as pessoas leem, fazem, curtem ou postam quando estão conectadas. Um exercício: imagine um lugar onde conversar com pessoas de outro país, (seja em fóruns, mensageiros ou redes sociais) é crime. Ou onde assinar uma petição online ou ler uma palavrinha de sabedoria do Dalai Lama pode te levar pra cadeia. Pior do que isso: imagine uma vida sem Google. Tá certo que existe um “Google chinês”, o Baidu, mas os algoritmos de busca são ridículos, exatamente por terem que ignorar pedaços inteiros da rede. Até os chineses reclamam.

“Impossível”, foi o meu veredito. Já no primeiro dia burlei o sistema contratando um serviço VPN (Virtual Personal Network); uma ferramenta que diz para a internet que o seu computador/smartphone está em outro país cada vez que você se conecta a um wifi. Ufa, paredes derrubadas. Respirei aliviada por alguns minutos, até me cair a ficha que eu também poderia estar sendo vigiada. Dali até o final da viagem convivi com a sensação de que alguém bateria na minha porta a qualquer momento.

Ao longo da viagem conversei com vários chineses; de coroas para quem o Facebook era um conceito bastante difuso, até adolescentes consumidores assíduos do tal VPN, que tinham acabado de criar suas contas no Instagram. Fiz tantas perguntas sobre as suas rotinas digitais que cheguei a incomodar, mas no fundo eu só queria entender as implicações de um país tão poderoso e influente construir a sua própria internet e ir contra a maior força da rede: transparência e compartilhamento. Quando isso some, o que sobra é poder e controle, mas também a emergência do lado B. A recém-criada Deep Web chinesa cresce a olhos vistos e já tem fama de abrigar bizarrices meio perturbadoras e movimentar um comércio ilegal de milhões de dólares.

Foi estranho experimentar uma internet presa em pleno 2015,  mas foi bom sair da minha bolha digital, imaginar como a vida poderia ser e entender quão precioso é ter acesso à informação sem paredes de fogo. De fato, eu nunca tinha parado para pensar no significado de viver em um país onde a web não é qualquer coisa que ela quiser ser. Prometi a mim mesma reconhecer o valor dessa liberdade todos os dias.

eu, com medo da polícia da internet ¯\_(ツ)_/¯