08 mar 2015

#comofaz: cinco passos para perder o medo de tecnologia

por Ada

4 min. de leitura
#comofaz: cinco passos para perder o medo de tecnologia

7546649376_b901183cea_o

 

Fotomontagem: Mike Licht/Flickr

Um dos motivos da existência do Ada é a quantidade de mulheres que nós, Diana e Natasha, conhecemos que apesar de usarem computadores o dia inteiro (algumas com softwares bastante complexos, como o Autocad), terem smartphones, tablets e serem loucas por uma rede social,  relutavam em se considerarem aficionadas em tecnologia. “Ai, imagina, não entendo quase nada,” elas nos diziam, para em seguida discorrerem apaixonadamente sobre aplicativos preferidos e porque preferem esse sistema operacional a aquele, truques que aprenderam e debater novos gadgets.

Está na hora de todas nós sairmos desse auto-imposto armário e nos entendermos melhor com essas ferramentas que fazem tanta diferença na nossa vida.

Por isso, resolvemos comemorar esse dia 8 de março, tão perto do primeiro aniversário do Ada, com alguns passos para você assumir a tecnologia de vez na sua vida. YES YOU CAN!

Adaptamos as dicas da jornalista americana Arikia Millikan, que escreve sobre tecnologia no Refinery29. Para ler o texto original dela, clique aqui. Com a palavra, Arika:

“Várias pessoas se consideram “boas com tecnologia”, como se isso fosse um dom com o qual se nasce ou não (e com o qual as mulheres não costumam ser agraciadas), mas eu estou aqui para provar o contrário. Ter uma inclinação tecnológica é uma habilidade aprendida, assim como saber espanhol ou fazer baliza. Ainda assim, não foi uma habilidade que eu adquiri de forma direta.

Sou filha única de mãe solteira, então eu só tive duas opções para alcançar as minhas metas: ou eu aprendia sozinha ou eu teria que abrir mão de todos os benefícios gloriosos do uso da tecnologia – como as horas que gastei jogando Super Nintendo ou navegando pela edição da Enciclopédia Britânica que instalei no meu primeiro computador. Lá em casa isso se aplicava a tudo que exigisse uma certa mão-na-massa: montar móveis, arrumar eletrônicos e até mudar as velas de ignição do meu carro. A vida pode não vir com um manual de instruções, mas quase tudo que usamos nela tem; então não há razão para os homens serem os únicos a usá-lo.”

Segundo Arika, não se sinta desencorajada se você nunca se considerou “tecnológica” – dá para começar a qualquer idade. Mas se você é alguém que tende a desistir facilmente quando o computador trava ou o celular dá pau, aqui estão alguns passos para mudar essa mentalidade:

1 – Não peça para alguém consertar o problema para você. Pelo menos não antes de tentar por uma boa meia hora. O primeiro passo para resolver um problema de gadget ou um pau de computador  é entender exatamente o que está errado, então se você conseguir além do “socorro, deu pau” e analisar o que aconteceu e quais as mensagens de erro, fica mais fácil saber qual a solução que você precisa. Um mantra: quando em dúvida, reinicie a máquina;

2 – O problema não é você. Se você empacar, não se martirize achando que é burra ou “não entende disso.” A verdade é que a maior parte dos gadgets e plataformas foram desenvolvidas por pessoas bem diferentes de você, e que existe um abismo bem grande entre estes desenvolvedores e o público-alvo dos seus produtos, em termos de língua, cultura e educação. Sim, eles deveriam ter feito seus produtos o mais intuitivos e simples possíveis, mas nem sempre é o que acontece;

 3 – Use a força da Internet. Uma vez que você entendeu qual exatamente foi o problema, tipo “o aplicativo trava quando eu abro a foto xis” ou “o Firefox não abre uma página com vídeo”, você pode fazer uma busca no Google por soluções usando o termo “Como ____” e descobrir centenas de páginas e fóruns online que podem te ajudar. Qualquer que seja o seu problema, certeza que você não é a primeira a passar por isso. Busque por descrições que descrevam a sua situação e pesquise as soluções que outros encontraram. E se seu problema for realmente inédito, não se acanhe de se inscrever em um fórum adequado e descrever o que aconteceu. O que nos leva a…

 4 – Peça ajuda, mas não favor. Se você realmente precisa convocar alguém que entenda mais que você, faça o seguinte: em vez do especialista resolver para você, peça para te explicarem o passo a passo de como consertar sozinha. Assim, se acontecer de novo, você já sabe o que fazer sem pedir a ninguém;

5 – Não tenha medo de falhar, e bastante. Você provavelmente não acertou a primeira vez que tentou fazer baliza. Mas isso não quer dizer que seu destino era ser má motorista e sim que você ainda estava aprendendo a dirigir. Mesma coisa com tecnologia: vá tentando várias vezes até acertar e saiba que ninguém nasce sabe sabendo construir e usar toda as modernidades atuais. Elas podem parecer simples, mas nem sempre são.

Tecnologia intimida à primeira vista, mas aprender a usá-la vai te ajudar a economizar tempo, dinheiro e diminuir sua dependência dos outros. Feliz 8 de março para todas nós.

Gif via Giphy.