02 out 2014

Privacidade: o que você e George Clooney têm em comum?

por Ada

3 min. de leitura
Privacidade: o que você e George Clooney têm em comum?

*Por Julia Costa Teles

Aconteceu o que parecia impossível: George Clooney se casou. O ator de Hollywood monopolizou os holofotes no fim de semana ao oficializar sua união com Amal Alamuddin, uma advogada britânica de origem libanesa, em  um evento de três dias em Veneza, na Itália. Mas fora o cenário cinematográfico, os convidados famosos e o vestido Oscar de La Renta da noiva, o casamento de Clooney chamou atenção pela sua política de segurança da informação. Sim, você leu certo, segurança da informação.

Uma regra foi imposta ao convidados: deixar seus celulares no hotel ou em um quiosque na festa. Mas não é que fosse proibido fotografar: todos ganharam um celular descartável e uma máquina de fotográfica com códigos de rastreamento embutidos. Se alguém publicasse uma foto nas redes sociais ou, pior, vendesse a imagem, o casal saberia quem foi o responsável. Assim, Clooney e Amal conseguiram manter o controle sobre o que era divulgado a respeito de seu casamento, já que as fotos oficiais tinham sido prometidas a revistas de celebridades.

Leia também:
Como você pode proteger suas fotos íntimas

Secret, privacidade e web profunda

Esse recente episódio reforça algo que muitas de nós já percebemos. Para evitar que aquela foto íntima apareça em lugares indesejados, é preciso estar no comando. E, no caso das celebridades, traçar verdadeiros planos de guerra como o de Clooney. Este exemplo, somado aos casos cada vez mais frequentes de pornografia de vingança e de cyberstalking, um novo tipo de crime cibernético que consiste no uso de ferramentas tecnológicas para perseguir uma pessoa devido à exposição de conteúdo privado, prova que não somos tão diferentes assim das celebridades. Um estudo recente da empresa de software de segurança McAfee mostrou que nós, reles mortais brasileiras, não estamos mais seguras que os famosos no nosso anonimato.

A pesquisa foi feita no início do ano no país e diz respeito à nossa forma de se relacionar em tempos de internet. Segundo o estudo, feito com 500 pessoas, 62% enviam ou recebem conteúdo privado, incluindo vídeos, fotos, e-mails e mensagens em seus celulares, enquanto 65% dos que recebem afirmaram armazenar esse conteúdo em seus aparelhos. Além disso, 54% dos entrevistados disseram utilizar seus telefones para compartilhar ou dividir mensagens de texto, e-mails ou fotos íntimas de conteúdo sexual, e 22% afirma ter feito vídeos de conteúdo sexual com seus dispositivos móveis.

Dos entrevistados pela McAfee, 82% disseram proteger seus smartphones com senha ou código de acesso, o que é ótimo. No entanto, 43% também assumiram que compartilham as senhas com seus parceiros ou parceiras e 49% usam a mesma senha em vários dispositivos, o que não é recomendado pelos especialistas em segurança da informação. Além de senhas, 60% dividem com os parceiros o conteúdo do smartphone e 63% compartilham também as contas de e-mail.

A pesquisa diz mais: entre aqueles que assumem enviar conteúdo íntimo, 76% mandam para parceiros, enquanto 17% compartilham com desconhecidos. Mesmo assim, 91% das pessoas diz confiar que seus parceiros não enviarão conteúdo íntimo ou informações privadas para outras pessoas. Porém, 75% diz que pede para o/a parceiro/a apagar os dados quando terminam um relacionamento.

Segundo o estudo, a faixa etária entre 18 a 24 anos é a mais preocupada em acompanhar o que o/a parceiro/a faz na internet: 79% dos entrevistados olham o celular do outro para ver o conteúdo armazenado nele, incluindo mensagens e fotos. As pessoas que assumem entrar na conta do Facebook do/a companheiro/a pelo menos uma vez por dia somam 27%, enquanto 39% dos entrevistados admitiram bisbilhotar o/a ex nas redes sociais.

Ou seja, enquanto os vazamentos de fotos estiverem restritos às celebridades, você pode se sentir segura sem estar de fato. Porém, já que agir como George Clooney é praticamente impossível se você não é um todo-poderoso de Hollywood, o melhor mesmo é refletir sobre seu próprio comportamento na web e aprender a se proteger.

Veja o infográfico completo da McAfee:

McAfee_DiadosNamorados_2014_dicas

Assine a newsletter do Ada: