05 jun 2014

Lego lança linha para garotas-geek

por Diana Assennato

2 min. de leitura
Lego lança linha para garotas-geek

A gente soltou um sonoro “aaaaaawn” quando descobrimos esta série nova que a Lego irá lançar em agosto deste ano: mulheres cientistas!

A linha de brinquedos vai incluir uma astrônoma com um telescópio, uma paleontologista com um esqueleto de dinossauro e uma cientista química em um laboratório.

Crédito: divulgação Lego

 

Para não reproduzir os erros duramente criticados da linha Lego Friends, (meninas magras e esbeltas cercadas de tons pastéis em salões de beleza e lojas de cupcakes), dessa vez a empresa dinamarquesa optou por não passar nem perto dos clichês femininos. A ideia é inspirar garotas a descobrir o universo da ciência a partir de um outro ângulo e a fantasiar sobre diferentes profissões sem a barreira de gênero.

Não é de hoje que a marca lida com questionamentos sobre o seu foco em produtos para meninos. Charlotte Benjamin, uma garotinha fofa de 7 anos de idade, escreveu uma carta para a Lego em fevereiro deste ano perguntando porque as meninas-lego só ficavam sentadas em casa, passeavam na praia e faziam compras enquanto os meninos-lego encaravam aventuras incríveis, tinham empregos, salvavam pessoas e até nadavam com tubarões.

lego letter

Crédito: divulgação Lego

Bem a verdade a resposta da Lego não foi das mais rápidas, mas finalmente eles começam a reagir à concorrência que já está suprindo a demanda de pais interessados em romper a dinâmica misógina da indústria de brinquedos. Goldieblox, por exemplo, foi um projeto desenvolvido a partir de financiamento coletivo no site Kickstarter. Ficou claro o tamanho da demanda: arrecadaram quase US$300.000 (o dobro do que pediam) em apenas 4 dias. O objetivo da Goldieblox é criar brinquedos que incentivem garotas a construir coisas, a pensar em inovação e a desenvolver o raciocínio lógico da programação.

O projeto das mulheres cientistas nasceu a partir do programa Lego Ideas, uma plataforma criada para ouvir sugestões de seus fãs para novos brinquedos. A vencedora do ano passado foi a Dra. Ellen Kooijman, uma geoquímica apaixonada pelos bloquinhos coloridos, videogames vintages e ciência.

O Ada vai querer colecionar sim ou com certeza? 😀

Via The Guardian

PS: Nos anos 80, a Lego não separava seus produtos em “de menina”  e  “de menino” . Veja esta propaganda de 1981:

Crédito: reprodução

Crédito: reprodução